domingo, 21 de fevereiro de 2010

Coisa de Doido



Sabe aquela sensação de que já dissemos algo, mas não conseguimos provar? Ou melhor, de que já escrevemos algo, mas não sabemos onde. Nos últimos dias, tenho tido a impressão de estar dizendo algo que eu já disse, mas que na verdade não cheguei a dizer. Pensei tanto naquilo que deveria ter escrito, que agora que vou escrever, tenho a sensação de estar me repetindo. Mas na verdade, eu não disse, mesmo querendo ter dito. E agora que estou pronta para dizer, não consigo, porque estou certa de que os meus pensamentos já foram materializados noutro lado qualquer. Sabe aquela sensação de já termos dito algo, mas não sabemos quando? Nós não sabemos quando porque simplesmente não dissemos aquilo que pensamos vezes e vezes sem conta, no entanto, ficamos crentes de que aquelas cogitações foram escritas em algum lugar. Não é possível, será que estou me repetindo? Sabe aquela sensação de que já dissemos algo, mas não conseguimos provar? Ou melhor, de que algo já foi escrito, mas não sabemos onde. Já tiveste aquela sensação de todas as palavras te parecerem iguais? Pensei em dizer algo, mas não o farei, porque tenho a certeza de que tudo já foi dito. No entanto, olho para os documentos do Word e para o arquivo do blog, e não vejo materializado de nenhuma forma aquilo que eu te ia dizer. Mas eu tenho a certeza de que está aqui. Está em algum lugar, escondido. E o quê é? Nem eu sei dizer.


(ps: eu acho que (já) estamos com 3 horas de diferença.)

7 comentários:

Le Vautour disse...

Atravessar o oceano para cá ou para lá já é tarefa alheia ao horário de verão. São três horas, sim.
O restante, que me deixou com uma enorme interrogação na cabeça, deve ser entre você e o seu tio, ambos meio doidões... não os entendo, mas gosto de ler o que vocês escrevem.
Abraços de duas asas a ambos!

Jean Valjean disse...

Hein? Dá para explicar melhor, ou desenhar, para ficar mais fácil de eu entender, sobrinha?
Abreijos do tio!

Cosette disse...

Hahahahaha, esqueçam lá isso. Se eu desenhasse ficaria bem pior, até porque nem eu entendi.

Beijuus

Cosette disse...

Olhem a cara da moça: nem ela entendeu.

Le Vautour disse...

Perdoem-me o imiscuir-me no trabalho de vocês, mas a moça pode estar apenas 'fazendo cara' de quem não entendeu. Desde Adão e Eva, a mulher, depois de se entender com a serpente, engana o coitado. A coita, aqui, é de sofrimento, mesmo. Coita trovadorista, com o perdão pelo parequema. Tãomintendendo? Faire face de...
Abraços de duas asas aos dois autores.

Cosette disse...

Porra, eu por momentos li: " Abraços de duas asas aos dois abutres"
Hahahahahahahahaha

Le Vautour disse...

Então ficam sendo aos dois abutres. São uns bichos úteis. A sarcofagia - que nos parece pútrida, que nos causa engulhos - é uma forma de limpar o ambiente. Sejamos três, pois!