segunda-feira, 28 de junho de 2010

De Augusto dos Anjos

Começaste a existir, geléia crua,
e hás de crescer, no teu silêncio, tanto,
que é natural que inda algum dia o pranto
das tuas concreções plásmicas flua.

A água, em conjugação com a terra nua,
vence o granito, deprimindo-o. O espanto
convulsiona o espírito e, entanto,
teu desenvolvimento continua.

Antes, geléia humana, não progridas!,
e em retrogradações indefinidas
volvas à antiga inexistência calma.

Antes o nada, ó!, gérmen, que inda haveres
de atingir, como o gérmen de outros seres,
o supremo infortúnio de ser alma!

p.s.: eu acho que (i) ou aqui Chico Buarque se inspirou para dizer "se fosse permitido eu revertia o tempo pra escuridão do ventre, curuminha, de onde não deverias nunca ter saído", (ii) ou foi muita coincidência, e os dois tiveram a mesma idéia de retração, retorno, retrogradação, o Chico uns 70 anos depois. Não é impossível, quero deixar bem claro.

11 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Sabe que uma vez eu escrevi um poema, isso na época que eu achava que tinha capacidade pra isso... rs... e que ficou muito parecido com um da Clarice Lispector que eu nunca tinha lido... Uma menina é que me atentou para isso... Claro que a Clarice escreveu muito melhor... rs

Beijocas

Cosette disse...

Impossível não é. Aliás, acho que em determinada altura, esse tema torna-se comum a todos. O desejo do retorno ao útero, o deitar-se em posição fetal...
Hoje, por exemplo, sinto-me uma "geléia humana".

Sei lá, em todo caso, inspirando-se nele ou não, o Chico fez um trabalho fantástico porque aquela música é qualquer coisa de inexplicável.

Beijo tio!

Cosette disse...

Tio, por acaso você sabe o nome de um filme em que o protagonista era lindo, jovem e não queria envelhecer, por isso (eu acho) que faz um pacto com o 666 para manter-se para sempre belo? Ele realmente não envelhece, mas sim o seu retrato, que começa a apodrecer..
Sabe o nome?
Tou procurando e não encontro.

Cosette disse...

Já encontrei: O Retrato de Dorian Gray. Já viu?
Eu quero o de 1945. --'

Jean Valjean disse...

Ô, minha querida, cheguei tarde pra responder. Sugiro, entretanto, ler o livro, e no original. Saporquê? Oscar Wilde era professor irlandês de Mitologia (imagine só!). Condenado à prisão por ser homossexual assumido, enfrentou todo o tipo de dificuldades. Imagine que Dorian se refere aos Dórios, povo grego lindo, forte, inteligente. E que 'gray' é o cinza - mas o cinza vai desde o 'prata' radiante até a cinza da decomposição, 'ash'. Preste bem atenção a este nome, que ele tem tudo a ver com o enredo. Oscar Wilde conhecia demais a psicanálise e os mitos de Narciso, Meléagro, Teseu, Fedra e Ariadne são todos mesclados na obra. Há mais: Dorian é Gray, mas é G(r)ay. É gay, é bi? É sexuado. Sofre, cai, reergue-se, mas... ai dele e ai de nós, quando o espelho cristalino das águas se turva.
O que fez pacto para não envelhecer é Fausto, de Goethe. Parece que a história é real, e Goethe poetisou. Também vale a pena. A parte II do livro é sensacional, imperdível.
Bom, é isso, em síntese.

Cosette disse...

Ei, obrigada! Já consegui o livro no original. Logo começo a lê-lo.
Eu ainda me pergunto o que é que você ainda não leu nesta vida...hum..

Beijos ! :D

Jean Valjean disse...

Nossa, há tanta coisa que não li... "perdi" muito tempo com Teologia, Filosofia e Psicanálise, pelo que os livros assim mais normais eu demorei pra começar. Mais não li do que li. Estes dois foram coincidência.
Você vai adorar Wilde. Não só the picture, mas a obra completa dele. Até hoje ele é 'copiado' por escritores de segunda, de plantão, que não atribuem ao verdadeiro autor os créditos pelas criações geniais, e dizem que as frases são deles mesmos. Pode?

afonso rocha disse...

Jean, você é um portento da literatura.
Me fez ir comprar o livro, viu???
Obrigado
Abração

Velhinho Decadente disse...

Ah, quanto recitamos estes versos juntos... no tempo em que as ilusões ainda nos permeavam a vida, e em que os oásis eram ductos para um outro mundo, de alegrias e de fervores. Bons tempos, que saudades!

Jean Valjean disse...

Também sinto saudades, Urubu. Nem fale.

Cosette disse...

Ah, eu também tenho saudades! Nem me falem! :D