sábado, 5 de junho de 2010

Vomitar o mundo que nos vomita

é às vezes é o único modo de poder voltar a pensar num mundo palatável.
Melhor era não haver essa relação antropofágica, pois que resulta numa inaceitável i-mundofagia; como, entretanto, fugir a ela?
É preciso vistamos confortavelmente o espaço que habitamos, para não sermos nós mesmos desconfortáveis para o espaço que nos veste.
É preciso tempo para aprender a preencher espaços. É preciso haja juízos a priori para que venham os a posteriori.
Jean, en-Kant-ado.

3 comentários:

Cosette disse...

Vomitar o mundo que me habita, é vomitar-me, pois quer queira quer não, conscientemente tornei-me na hospedeira dos vermes que me consomem.

É inevitável, regurgitar o mundo e a acidez que ele nos causa, é a única maneira de o habitarmos sem nos tornarmos na nossa própria náusea.

Beijo, tio.

afonso rocha disse...

Só de pensar em vermes...me dá vómito...
talvez por isso não leio os editoriais políticos...

Tal tio...tal sobrinha.
Bom texto...excelente comentário...
Abraço+Beijo

...e cuidado com os vermes....

Le Vautour disse...

Um texto interessante, que bem poderia haver terminado sem aquela frustrada tentativa de 'pun': en-Kant-ado? Era para rir?