terça-feira, 27 de abril de 2010

Entre o certo e o errado

Entre as pessoas ditas normais e os psicopatas há uma linha mental tênue, mas que na prática, na exteriorização, é um abismo: o agir ou não agir em determinadas situações.
Pausa 1 - Cô, o Thiago Lacerda é liiindoooooo! Maravilhoooosoooo! Que homem, Cô, que homem!!
Pausa 2 - Acho que vou passar a vida toda entre o sim e o não, entre o que o homem chamado normal pode e não pode fazer.
Vontade de fazer determinadas coisas, todos temos; condutas anti-sociais, prejudiciais, lesivas ao direito, à sanidade, à integridade alheia, essa o homem 'médio' vai evitar.
Há proibições sociais que parecem muralhas e, sejam usadas para proteção, sejam usadas para visitação, não deixam de ser muralhas. E a gente sabe que essas só se escalam e/ou se trespassam ou com muita violência ou se o próprio obstáculo (bélico, por que não) tenha uma passagem.
Há distâncias curtas, mas que não vou poder percorrer, pois há fossos ao meu redor. Nos fossos, crocodilos. Não há pontes.
Não são gaps, mas bridgeless chasms.
Se alguém me vir escalando paredes enormes, no vão tentame de ultrapassá-las, não me impeça, por favor. Eu prefiro cair, mas encontrar a liberdade.

2 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Bem... meu ex-marido dizia que tinha, ou ainda tem um passageiro sombrio que sussurrava no ouvido dele...

Eu costumo dizer que tenho meu lado negro, até já escrevi sobre isso!

Acho que todos nós temos algo assim...

Beijocas

Cosette disse...

Eu concordo com tudo o que disseste, menos com uma determinada parte e você sabe qual...