domingo, 9 de maio de 2010

Da inocência dos 14 ao sexo virtual.

Eu descobri a internet aos 14 anos, se não me engano. Uma das primeiras coisas que eu fiz, foi ir para uma sala de bate papo. Hahahahaha! Foi lá que eu descobri os tarados. Acho que foi lá que eu inventei o meu primeiro heterónimo, também. Não me lembro o nome da criatura, só me recordo de ter dito que tinha dezoito anos. Ah, dezoito anos, que sonho! Que vontade que eu tinha de ter dezoito anos…O cara com que mantive contacto por um bom tempo, dizia-se chamar Fernando e vivia no Rio de Janeiro. Tinha uns trinta e poucos e era super simpático. Gostou de mim, o rapaz. Que coisa hein? Todos os homens a partir dos vinte e cinco até aos 44 e meio me adoram, né? Porquê será? O Fernando era tão simpático que eu até imprimi os e-mail’s do cara, e todos eles estão guardados até hoje. Sei lá, me apeguei ao sujeito, mas logo ele desapareceu e eu desapareci também. Para uma menina de 14 anos, ter dezoito dá muito trabalho.

Depois, só fui mesmo me fincar na internet a partir dos 16. Mas aí já não foi para entrar nas salas de conversa. Hoje acho aquilo ridículo, uma perda de tempo, um antro de vírus, conversas sem nexo e de gente nojenta. É certo que ainda se deve poder encontrar alguém minimamente decente ali no meio, mas é raro. A probabilidade é quase nula. Procurar relacionamentos sérios na internet é a maior roubada. Até acho que é bem menos pior ir-se atrás de uma Agência de Encontros, ou aqueles ‘ fast dates’, pelo menos neles pode-se estar com a pessoa frente-a-frente.
Uma coisa que eu acho extremamente ridícula, mas ridícula mesmo, mas tanto que até me dá vontade de rir – estou rindo neste momento – é o sexo virtual. Tio, diga-me que você nunca fez isso! Olha, eu já. Quer dizer, eu não. Nós. Eu, ela e o ciclano.
Passo a explicar:

Tinha dezoito anos (quando completei dezoito, lembrei saudosamente da época em que tinha 14), estava acompanhada por uma colega da mesma idade e resolvemos meter conversa com um sujeito que ela tinha no msn e não sabia quem era(?) Eu ditava, ela escrevia, eu lia e ria. Até que o sujeito ficou sabendo que eramos duas e estávamos sozinhas, fechadas num quarto, só de camiseta e roupa interior (ele ficou sabendo disso porque eu era/sou porca e resolvi atiçar o fulano – afinal: que homem é que não tem fantasias com duas mulheres? Né tio? Hahahaha). Enfim, nós tinhamos webcam e ele também. Então resolvemos ligá-las. Méeeo Déeeeeos, o cara era um monstro! Mas tudo bem, tá valendo. Ao vê-lo, eu brochei completamente e passei somente a ser parte do cenário. Isso quer dizer que eu fiquei ali coçando os tomates enquanto eles falavam. Até que num certo momento, ele disse que não aguentava mais e que estava super excitado. E não é que ele baixou a webcam e mirou para a cueca? Babeeeeeei! Aquele troço era enooormee! Por momentos, até comecei a pensar que se lhe metesse um saco preto na cabeça, daria para aproveitar alguma coisa.
Ela estava super a fim do cara, então topou continuar a conversa badalhoca. Bem, eu fui para a cama e quando dei por mim, ela já tinha tirado a blusa e o sutiã. Eu não queria acreditar no que os meus olhos viam. O cara tinha se inclinado na cadeira, aberto as pernas, e….não, não tinha começado a cagar. Você sabe. E ela lá, colada no sujeito.
- Cosette, vem ver isso!!
E eu, com a cara debaixo do travesseiro:
- Xôô capetaaaaaaa!
Eu só consegui dormir lá para as quatro da manhã, momento em que eles terminaram o trabalho sujo. Foi aí que eu lhe perguntei:
- Você ficou excitada com aquela coisa?
- Achas? É claro que não!

É isso que eu não entendo. Por norma, para uma mulher ficar verdadeiramente excitada, só olhar não basta. Tanto que…Existem revistas de homens pelados? Ok, há a Revista G, mas isso deve resultar mais para os gays do que propriamente para o sexo feminino. Pelo menos para mim não adianta nada: folhear uma revista de homens nús é o mesmo que folhear a bíblia – uma merda. Não surte efeito nenhum.
Enquanto que o visual resulta muito bem no sexo oposto, para as mulheres o toque é primordial. Isso quer dizer que este tal sexo virtual é feito só por um. A mulher serve, literalmente, como um obje(c)to. Eu não entendo esta gente: qual é a graça? Será que no fim eles também perguntam: “ Foi bom prá você?”
Eu vejo mais prós do que contras quando penso em Internet, mas é verdade que os contras têm um peso considerável. Ela tornou-se num excelente albergue de gente mal intencionada, eu que o diga que já encontrei umas quantas. Por outro lado, tive muita sorte com várias pessoas.
Já contei que fui perseguida por um louco durante um bom tempo? Ou que quase fui sequestrada num centro comercial? Pois é… se não contei, fica prá próxima.


20 comentários:

Jean Valjean disse...

Peraí, tavalendo e parei no "todos os homens ..., até os 44 e meio". O que quis dizer com isso?

Jean Valjean disse...

Quanto a ter 14 e faire face d'avoir 18, quem mandou subir nas tamancas? Contente-se com sua idade! Hoje em dia, que eu saiba, é metida a ter 39... ai de mim!

Jean Valjean disse...

Sexo virtual: já fiz, sim. E muito. Houve uma época da minha vida em que estava absolutamente sozinho, e não teve outro jeito: imagine aí, dona sujeita, que estou te segurando forte, com pegada. Agora imagine que... ah, xapralá, v. conhece a fórmula banal bem mais do que eu. Vergonha de o haver feito? Não, àquela época, era o que eu tinha às mãos: nada. Pobre de mim, bem como pobre das disinfelizes que também estavam nesta situação. Passou. Hoje eu não tenho mais saco, ou melhor, faz um bom tempo que não tenho mais saco pra isso.

Jean Valjean disse...

Peraí, que agora preciso entender melhor: o cara era um monstro do mal, na cara; entretanto, lá na região da pudicícia, no meio dos fêmures, era um monstro do bem?
Xoentender mais um negócio: se pusesse um saco preto na cabeça dele dava pra aproveitar algo?
Ai, meu pai... eu não estou lendo isto. Principalmente, depois da maravilhosa postagem acima. Cô, cô-mporte-se, cô-ntrole-se, cô-ntenha-se!
Maispiorqueruim: estavam as duas no quarto tentando traçar um cara? Tipo assim, ménage à trois na boa? Aí você broxou enquanto a sua amiga, desnuda, ficava lá e "completava o serviço"?
Será que o meu castigo, pela insônia que tive hoje, foi ler este post do catano? Eu mereço...

Jean Valjean disse...

Olha, não conte mais, não. Vamos parar por aqui. Estou indo tomar um Engov. Ó ruína... você conspurcou o nosso até então puro, impoluto, casto e outras coisas lindas, blog.
Vergonha do Vartão...

Jean Valjean disse...

Tudo bem, eu a perdoo mesmo assim. Se a trajetória do filho pródigo tem dessas "badalhocas", vá lá.
Agora cá entre nós, hein? Faz, aproveita, dá uns catos virtuais sei lá em quantos sujeitos, e depois vem dizer que isso é coisa pra gentalha? Hahahahahahahahaha
! Ô, moral... hahahahahahahahahaha
Toma jeito, mulé!

Cosette disse...

Eu não entendo esse meu tio. Se eu me comporto bem, lá vem ele com o seu discurso: " tem que sair, se divertir, fazer o que os outros jovens fazem." Se eu faço o que os outros jovens fazem, ele me solta um: " cô-mporte-se, cô-ntrole-se,
cô-ntenha-se!"

Cosette disse...

Como assim 'como assim'? É um facto: Vocês, homens que se dizem estar com um pé na 3ª idade, não resistem ao meu encanto. É mentira?

Cosette disse...

"Puro" blog? Com aquele festival de disenterias e outras coisas igualmente (des)agradáveis' de se ler? Hahahahahahahahahaha! Agoraeuri*

Cosette disse...

ps: o meu queixo caaaaaaaaiuuuu, mas caiu mesmo, quando você disse que já tinha feito tal 'badalhoquice'. Não pode ser! Aquela imagem que eu tinha de um tio perfeito e comportado, simplesmente d e s a p a r e c e u! Acabou, que p*ta de trauma!
Mas ok, eu perdoo mesmo assim.

Jean Valjean disse...

Vamos aos poucos: se é pra me entender, então o que eu estou falando? Meio-termo. Primeiro se comporta feito um ser angélico e depois, rapidin, assim, do nadim, vem com este texto inescrupuloso do catano? Hahahahahahahaha! Cô-isa feia!

Jean Valjean disse...

A questão da idade e as suas delícias paradisíacas: darling, você já foi mais simples, no passado, lembra? Como assim "não resistem"? Are you finding yourself? Tá se achando??? Sai, convencimento, dessa cabecinha que não te pertence!!!

Jean Valjean disse...

Disenterias e outras p(ei)(a)darias: coprorreias acontecem, Cô! Já este texto aqui, esse ménage à trois virtual que você fez, isso é orgia pura. Saco na cabeça? Só o saco, só a cabeça, o troço monstruoso, camisinha, lá, é boina, ah, para com isso! Baixaria pura! Tome tento! Se fosse como no meu tempo, eu arrumava um meio de te botar ajoelhada no grão de milho e rezar o terço, no quarto, toda quinta-feira. Ui, que piada velha...

Jean Valjean disse...

Pra terminar: tá se sentindo com moral pra me condenar ou perdoar? Oquêi, depois de um texto destes, inescrupuloso, pervertido, luxurioso-dantesco, tá-chando que pode distribuir indulgências de bandeja? Ué, fiz sim. Um dia. Não faço mais. Mas nunca fiz a três... tudo bem que não rolou a oportunidade, mas jamais faria com outro homem: só se fosse eu e duas mulé hahahahahahahahahahahaha!
Bom, tudo bem. Se você me perdoa, então acho que vou pro céu... vou, né?

Jean Valjean disse...

Ah, pra encerrar a Cose-sséia: foi perseguida por um maníaco e quase foi sequestrada num shopping-mall? Onde é que tutachando santidade pra me perdoar "mesmo assim", Madre Tereza? Ô, dor...

Le Vautour disse...

Que confusão vocês dois fizeram neste post. Nem vou comentar.
Abraços a ambos.

Cosette disse...

É, não vale a pena.

Le Vautour disse...

De facto, não vale a pena. Principalmente porque os dois me decepcionaram um pouco. Não esperava isso de um, nem de outro. Hehehehehe

Sarah Slowaska disse...

Nossa, eu também não esperava não, hein. Mas enfim, não desceram na minha consideração por causa disso. O Jean, pelo menos, não.

Jean Valjean disse...

Ah, Sarah, deve se decepcionar com este Jean, sim. Ele às vezes se esquece de que é um pré-velho e age feito um crianção. Veja só o que a Cô falou no post em minha homenagem, neste 17/5/MMX - criança! Sem juízo, tontão, etc!
É bem assim!