quarta-feira, 26 de maio de 2010

Não gosto de mim

Sou um algo em desagregação.
Minhas lágrimas já formam estalactites sobre as bochechas. Os prazeres desta vida são todos tantálicos e os moldes que me deixaram cheiram a Procusto.
Os esforços sisíficos, excruciantes, toldam-me a visão e me aniquilam a saúde.
No fundo desta caverna vejo grilhões. Eu os prendo lá, e não o contrário. A luz fere os olhos, os olhos ferem a alma, a alma fere a vida e a vida... nem é vivida.
Ontem era Ano-Novo, em alguns segundos veio o Carnaval. Já chegava a Páscoa, e eu não passei. Não quero uma Canaã, pelo menos não a quero exterior. Dia das mães. Depois vem o aniversário, logo é Primavera, Natal e então um dia, quando menos perceba, perecerei.
Não vou fenecer como quem jamais floresceu. Vou é florescer. Flores ser. Ser tudo, ser nada, ser até não-ser.
Venham cataclismas, toquem-se trombetas, abram-se quantos selos hajam de ser abertos. Quero romper o lacre da vida e, na Santa-Ceia metafórica, beber toda a água do Aqueronte.

7 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Senti um Q de sensação de tempo perdido no seu texto... Acho que todos nós temos um pouco isso. Eu mesma, tendo vivido tantas coisas, tantas emoções fortes, me pego pensando no marasmo que está minha vida... rs... Mas acho que isso é do ser humano...

Desculpa se o comentário não tem nada a ver com a intenção do seu post... mas é que eu sou assim mesmo... eu mudo de assunto, volto a ele... ahahah

Eu ainda estou bem rouca a preocupada com minha voz, mas dias melhores virão... rs

Beijocas

Cosette disse...

O fundo da caverna é meu. Nem vem!
As feridas da alma abrem à sombra cicatrizam ao sol. A luz é mais do que necessária para a desintoxicação da alma.
Não gostas de ti? É claro que gostas. Gostas o suficiente para enfrentar o porre repetitivo que a vida é, oras.

Ah, e eu gosto das bochechas-fix também, com ou sem estalactites.

BjO*

Sarah Slowaska disse...

A tua sobrinha não consegue fazer um comentário sem falar das tuas bochechas? Incrível! Fiquei curiosa, agora.

afonso rocha disse...

Huuuuuuuuum........
falta aqui álguem que tb já aprecio...com seus excelentes textos/comentários...
O Vau-tour, claro (que tem nome de agência de viagens...)
O que eu me rio com vocês....com tamanha boa disposição inteligente...
...quando quiserem podem me fusilar...
Abraço

Cosette disse...

Afonso: Seja sempre muito bem-vindo! :) O Vautourzinho (desaparecido) é o meu protector! É ele que me defende dos ataques maldosos do meu tio!

Jean Valjean disse...

Afonso, novo e bem-vindo visitante, não se importe, que o Abutre está sempre sobrevoando a minha carniça (o cara grudou em mim: protege a Cô e me obsidia, ao mesmo tempo), pelo que logo há de aparecer.
Saudações, meu caro!

Le Vautour disse...

Afonso, meu caro, agradeço-lhe pela deferência das palavras.

Valjean, o blog de vocês é uma prova de que eu não sobrevoo apenas carniça, não é mesmo?

Abração de duas asas a todos!