domingo, 9 de maio de 2010



Perder-se não é assim tão fácil. Perder-se e ter a consciência de que se está perdido, é encontrar-se. O verdadeiro perdido, desconhece o seu paradeiro. Não sabe onde está e não sabe que não sabe.
Para desconhecer-se, é preciso não saber quem fomos. É preciso ser inconsciente de si mesmo, ao ponto de não sabermos quem somos. Pergunto-me se tal nível de inconsciência é possível, sem que esta descoberta seja considerada uma doença.

9 comentários:

Jean Valjean disse...

Às vezes, quando leio o que você escreve, acho que andou estudando a fundo o Eclesiastes, ou então leu Psicanálise e Religião, de Erich Fromm, ou então perdeu-se em Ferdinand Pratt noites e noites a fio, como eu. Talvez tenha decorado o Tratado da Natureza Humana, de Hume, ou então saiba de cor o Mysterium Coniunctionis, de Jung ou então já viveu o tanto que eu vivi, já sofreu o tanto que uma pessoa bem mais velha que você já sofreu.
Não, bobagem, não é isso. Você não teve tempo ainda de mergulhar no abismo do Y, com Lygia Fagundes Telles. Não pode ter tido tempo de mergulhar de cabeça em Sartre e Foucault. Não quero crer que já tenha se desgastado a ler a obra completa de Teilhard de Chardin, os manuscritos de Saussure, que seus alunos transformaram em livro, nem posso acreditar que já haja percorrido e introjetado tudo o que Kafka pensou.
Única conclusão: você é filósofa também. Isso brota de sua alma, e naturalmente.
Putaquepariu.

Cosette disse...

Que vergonha, que preguiçosa do catano, eu nunca li nada disso. Tio, você é um gênio/génio ( que novidade).

Jean Valjean disse...

Cô, eu não sou génio p* nenhuma. Li tudo isso aí, entendi alguma coisa, e de minha alma nada sai no nível de seus textos. O génio é você, que, mesmo sem ter tido tempo, AINDA, de ler tudo isso, já cria cousas assim encantadoras! Percebeu a discrepância??
Abreijinhos, génia-zinha!

Le Vautour disse...

Concordo com o Jean: a moça é gênio.

Cosette disse...

Ah, Vautour, já tinha saudades tuas. O meu tio me despreza.

Le Vautour disse...

Seu tio é um frustrado, Cosette, não dê ouvidos a ele. Ou melhor: não dê olhos...

Le Vautour disse...

Só que tenho que completar o pensamento. Seu tio pode ser meio chatão, mas ele literalmente BAAABAAA na sua inteligência. E acredito francamente que ele ache você mais inteligente que ele mesmo. As únicas coisas que ele tem a mais que você: barriga e idade. Só.

Sarah Slowaska disse...

Hein? Ela, mais inteligente que o tio? Não creio, não me parece não. O Jean tem conhecimentos que ela só adquirirá, se se empenhar para tal, daqui uns 60 anos, no mínimo.
Ela cria uma ilusão de que é muito inteligente, basta ver pela escrita: é própria de quem não tem lá muita certeza do que está dizendo.
Ao contrário do Jean, que é sóbrio, voz da experiência, um homem que sabe aquilo que diz e diz mesmo, sem rodeios.

Jean Valjean disse...

Sarah, ela é, sim, bem mais inteligente. O Vautour está certo. Ah, e você também é - mais do que eu e mais do que o Vautour. Não se iluda com o meu jeitão, pois o que me caracteriza a vida é a dúvida!