segunda-feira, 17 de maio de 2010

Mergulhei em mim

e me perdi. A ponto de não poder mais voltar.
Mergulhei em mim e mergulhei num buraco negro. Fui sugado para outra dimensão. Não sei como faço para voltar, mas no fundo (em todos os sentidos) não me preocupo muito. Voltar para onde, se não tenho origem?
Este texto é uma homenagem à intelectual Sarah Slowaska.

7 comentários:

Sarah Slowaska disse...

Pois é, não conseguimos voltar pois nem sequer sabemos qual é o nosso princípio.
Houve um tempo em que tinha no meu perfil: proveniência desconhecida e destino incerto. Depois coloquei: proveniência duvidosa. No fim, quase meti: Made in China.
A cada dia que passa, tenho mais a certeza de que sou a cópia mal feita de alguém que eu não sei quem é.

Ah, Jean. Que querido, um doce mesmo, como disse a Cosette.
Beijinhos.

Jean Valjean disse...

Adorei o Made in China, Sarah, adorei! Ué, a Cô não cô-mentou aqui... serão ciúmes? hehehehehe

Le Vautour disse...

Valjean, se é para homenagear a Sarah tem que melhorar a qualidade do texto. Está bom, mas não chega nem perto do nível dela!

Cosette disse...

Eu? Ciúmes? Té parece!
Comento pois, tá cô-mentado.

Sarah Slowaska disse...

O texto está óptimo. Disse em cinco e curtas linhas aquilo que não consigo dizer em menos de dez. Conseguiu sintetizar sem perder o foco, o que eu sou incapaz de resumir sem me perder.

Eu adorei, mesmo.

Jean Valjean disse...

Cô, você é do cô-ntra mesmo hehehehehehe
Olha, sou obrigado a concordar com o Vautour. O texto foi uma tentativa de homenageá-la. Desculpe, Sarah, nem precisa me defender. Na próxima, vou tentar melhorar!

afonso rocha disse...

O Vau-tour tem razão!!!! (que nome!!!)
Mas olha que dava um dia um belo epitáfio! eheheh
Abraço