domingo, 18 de julho de 2010

Eu, mulher (Jean Valjean, sob inspiração dos laços borromeanos de Lacan)

Eu te quero, homem, corpo e espírito. O tesão, sem alma, é hemiplégico; a alma, sem corpo, é inane. E também quero entregar-me a ti inteira. Não metade de mim, não a minha epiderme, não a minha complacência. Quero mais que satisfazer-te: desejo satisfazer-nos. Quero que quando a porta se feche sejamos cúmplices, e que quando a mesma porta se abra sejamos um só.
Quero teu sangue em minhas veias, a circular; tuas idéias em minha mente; tua boca em minha boca, teu corpo no meu corpo, teu coração me amando tanto quanto o meu te ama.
Dadas tais premissas, meu corpo será o teu templo, e teu corpo o mar onde o meu, feito barco, vai singrar.
Tua língua, lânguida, quero-a em meus seios bailando coréias; desce, amor, ao meu umbigo, beija-me o ventre, lambe-me os lábios vermelhos e o prazer que me escorre, morno e incessante, do imo.
Penetra-me, invade-me, rompe-me e irrompe em mim. Fertiliza-me de apreensão, de ansiedade, de dúvida, de gozo, de satisfação.
Deposita em meu âmago a tua confiança, como eu, a minha, deposito em ti.
Quero beijar-te, insopitável, e molhar teu corpo todo com minha saliva. Quero colher teu sêmen com a gana duma esfaimada.
Aqueces-me e te aqueço, a cada hora. Trocamos calor, confidências, imagens, reflexos, desejos, ensejos, despimo-nos um para o outro. Despimo-nos das alfaias e das vaidades. Do corpo, da mente, do coração. Entramos em simbiose. Entregamo-nos à inércia dos objetos em movimento, que permanecem a mover-se.
Queres-me? Vem a mim. Vem montar tua casa no meu peito, lançar tuas luzes em minha sombra, deitar a cabeça em minha alfombra, calar-me a boca com tua língua.
Neste momento, não sou eu - sou tu. E tu não és senão eu. Permutemo-nos e sejamos, ao menos pela infinitude desse encontro, não-eus dissolvidos e depois amalgamados num algo só. Sejamos o real, o simbólico e o imaginado. Ao menos nessa hora.



17 comentários:

Sarah Slowaska disse...

UUUUAAAAAUUUUUUUU! Lacan, neste momento, está se roendo de 'enveja'!

Ouve, nenhuma mulher, louca ou no seu perfeito juízo, seria capaz de escrever algo assim. Tens noção disso?

Não canso de ler. Coisa linda.

Um beijO!

Cosette disse...

Ai tio, não consegui ler nada, viu? Muito forte, para mim. Muito forte!

Jean Valjean disse...

Sarah, obrigado!
Sabe que penetrar na alma feminina e procurar traduzi-la não é fácil para nós, homens? Se você gostou, fico muito, muito feliz mesmo.
Abreijos carinhosos!

Jean Valjean disse...

Ah, Cô, tenho certeza de que você não só entendeu, como, se fosse se botar a escrever, faria muito melhor do que eu. E a Sarah também, idem.
Abreijinhos!

Le Vautour disse...

Querem saber? Eu sumi, mas meu espírito ainda vaga por aqui. E estou achando que esse Jean Valjean não precisou fazer esforço nenhum para entender a alma feminina. Ele tem alma feminina, mas não assume, é isto.
Jean, recomendo uns meses de divã, para você se tornar uma diva. Huahuahuahuahuahua.
Fui. Não evoquem mais este espírito.

Velhinho Decadente disse...

Ora, bailam fantasmas neste blog?

Cosette disse...

Vautooour! :D O meu tio tem o coraçãozinho hiper sensível, mas é MUITO macho. CôisamaislindaCô.

Mari disse...

Putz. Que lindo isso.
Não ia contar. Mas vou contar. Guardar as coisas só pra gente faz mal...até um sonho erótico eu tive devido a esta obra.
Simplesmente PERFEITA.

Lindo blog de vocês.

:)

Cosette disse...

WOW! Preciso do Lacan jáaaa! Hahaha!
Obrigada, seja sempre bem vinda :)

Velhinho Decadente disse...

Pois é... tive que vir aqui de novo, pois a moral e os bons costumes abandonaram este blog. Não gostei, e pronto. Até o fantasma do Vautour voltou para cá. Postagem insulsa e apelativa.
Ou vocês melhoram o nível, ou deixo de visitá-los.
Espero que o Valjean me explique isto, pois está ficando insuportável. Intolerável.

Cosette disse...

Nossa, que bronca braba! :S

Jean Valjean disse...

Vautour, assustei-me um pouco com a sua vinda. Espero que não seja assombração, hein?

Jean Valjean disse...

Decadente, a sua mensagem está dada lá no post acima: não está feliz? Não venha. Vá lá botar a dentadura no copo com água e cepacol, ok? Xô!

Jean Valjean disse...

Mari, você me deu ânimo para continuar escrevendo. Valorizou meu texto escrito com o coração. Obrigado, seja você quem for e venha de onde vier, ok?
Abreijos carinhosos

Jean Valjean disse...

Cô, vamos cô-ntrolar a entrada dessas cô-isas esquisitas aqui? O Vautour... cô-mo ele veio parar aqui de novo? E o véio cô-cô-roco e decadente? O cara vem aqui para dar p.t.?
O que podemos fazer para cô-nviver, ou então para não ter que cô-nviver com isso?
Obrigado, sobrinha, cô-nto cô-m você.

Cosette disse...

Eu acho que daqui a pouco proibirei a TUA entrada, viu tio? Bicho ruim, cruel, crudelíssimo..! Já estou preparando a minha vingança.

Velhinho Decadente disse...

É isso aí, Cô! Larga o desafortunado e vem pro meu blog.