quarta-feira, 21 de julho de 2010

Quando a vida perde a razão de ser...

Minha SOBRINHA, minha única SOBRINHA, anda me ignorando.
De novo sem paciência para ouvir os meus lamentos que, pobrezinhos, vêm em dó menor. Eu murmuro dores, ela me castiga com chicotadas.
Eu revelo minhas fragilidades, ela me cobra uma pujança que não tenho.
Acho que vou me suicidar, e pensei em três formas diferentes:

1a - Vou a New York, subo até o alto do Empire State Building e... pulo. Imaginem só! 5a Avenida, eu lá no topo do glamour e... puffffffff!

2a - Vou à França. Paris. La Tour Eiffel, Quai Branly. Subo até o topo e pulo. Eu lá no topo do glamour e... puffffff!

3a - Fico aqui em casa, mesmo. Ligo um CD da Alcione, tomo um copo de formicida, ligo o gás, fecho todas as janelas, tampo as frestas.

Quem quiser sugerir, por favor, aguardo, ansioso. Já que minha SOBRINHA não está mais aí comigo, só me resta o érebo, cruzar o Aqueronte, ir apertar a destra de Caronte. Nada mais quero... ó, dor!

14 comentários:

Dama de Cinzas disse...

A 2ª opção de longe é a melhor... ahahah... Compra uma passagem agora, pra duas pessoas e me leva junto... ahahah...

Beijocas

Jean Valjean disse...

Ora, Dama, mas se eu for com você a Paris podemos primeiro curtir o lugar, e só depois pular da torre. Que tal?

Dama de Cinzas disse...

Acho ótima a idéia, a minha intenção era essa mesma, curtir Paris que tanto quero conhecer e depois me matar em alto estilo... eheheh

Beijocas

Sarah Slowaska disse...

Jean, você não anda sendo muito injusto não? Eu detesto admitir isso, mas pelo que tenho visto, lido e ouvido, a Cô tem sido uma sobrinha exemplar. Nénão?

hum...

Cosette disse...

Não vou comentar, a justiça tarda mas não falha.

Cosette disse...

Ah, e já disse: não se mate antes de ver aquele filme.

Mari disse...

Olha...eu iria até Vaduz...escolheria a colina mais alta...respirava um pouco de ar puro e...puff

Mas meeo...se liga...sua sobrinha tem a vida dela...não pode ficar te levando sempre pras baladas com ela. rs

:)

Velhinho Decadente disse...

Valjean, que vergonha. Que acinte o seu.
Cô, venha escrever comigo. Deixe o chato do seu tio aí. Ponha-o de suplente. Chato, merrequento, xexelento. Ele não merece você! Não mesmo! @#$%

Cosette disse...

Opaaaa, a Mari disse tudo! Hahahaha! Boa Mari! :)


Velhinho, eu iria viu? Iria mesmo!! Mas sabe o que é? A culpa é dos nossos laços sanguíneos, deram um nó muito forte e é impossível desatá-los.

Ai fodeu.

Jean Valjean disse...

Dama, vou começar a deliberar, e quando decidir faço um post aqui. Um post-convite para você. Vai se chamar algo do tipo: Morte em Paris - a Dama e o Vagabundo do Jean.
Pode ser?
Aí a gente já faz tudo ao mesmo tempo: se conhece, eu escrevo para você um soneto, a gente anda à beira do Sena, come nuns bistrôs do K-ralho e depois sobe de elevador a Torre e... puffff!

Jean Valjean disse...

Sarah, querida, já pedi desculpas pra ela, lá em cima. Oquêi, ó: estou arrependido. Errei? Errei. Vou tentar consertar as coisas, sorry.
Abreijinhos!

Jean Valjean disse...

Pô, Vaduz, Mari? Uia... vou pensar na hipótese.
Pronto, já se uniu à Cô... não quero que ela me leve pra balada. Sou um senhor, só quero carinho, tipo cafuné, atenção de sobrinha... vocês, os mais jovens, não entendem isso.
Abreijinhos, mesmo assim.

Jean Valjean disse...

Cô, desculpe, eu errei! Mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa...
Errei, confiteor!
Errei, vou tentar melhorar, juro!
Você é a sobrinhazinha do cô-ração!
Abreijinhos!

Cosette disse...

Ôu.....chega de torturar o meu bolachinha. Chega! A única pessoa que tem autorização para isso, sou eu! E já o fiz. Agora já chega. Todo o mundo fazendo carinho nele, já!