quarta-feira, 28 de julho de 2010

O Mar II

Quis ir às regiões abissais, não pude.
Pedi ao barqueiro que parasse, quando chegamos a uma piscina natural. Desci. Pão que jogava sobre as águas, peixes ao meu redor. Éramos natureza. Eu era apenas mais um.
Sinto falta de ser apenas mais um.
No seio daquela fantasia, percebi que a realidade, muitas vezes, é fantasia, e só a fantasia é realidade. Acho que vivo do lado de lá do espelho. Do espelho d'água.
Onde está Netuno?

2 comentários:

Sarah Slowaska disse...

Se estás do lado de lá do espelho d'água, trate de alimentar a alma como fizeste com os peixes. Não seja como eu, que acredito ser o espaço que separa o corpo do seu reflexo. Não há o que alimentar, simplesmente.

Le Vautour disse...

Netuno está em algum lugar cômodo, acima dos problemas humanos.